Os tesouros e os dois senhores


Introdução

Continuando o sermão do monte, em Cafarnaum, Jesus fala sobre os tesouros. Aqui o significado é bastante direto e claro, não necessitando muita interpretação.

Os tesouros

Mateus

6:19) Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam;
6:20) Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.
6:21) Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Aqui Jesus é bem direto ao ponto, adverte para não perdermos tempo nos preocupando em juntarmos tesouros na terra, mas sim juntarmos tesouros no céu, ou seja, para o que vier após a morte. Um dicionário qualquer define tesouro como sendo uma grande porção de dinheiro, jóias, objetos preciosos ou coisas valiosas. Este é exatamente o sentido que Jesus dá aos “tesouros na terra”. Já os “tesouros no céu” não estão muito claros aqui, mas pode-se entender que Jesus está dizendo para “investir” seu tempo no crescimento espiritual. O versículo 6:21 deixa bem claro o que acontece com nossos sentimentos à respeito do que valorizamos. Ter um relacionamento com Deus é investir em nosso tesouro no céu.

Os olhos

Mateus
6:22) A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz;
6:23) Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!

Assim como registrado no post anterior, candeia é o mesmo que uma luminária. Os versículos 6:22-23 afirma que nossos olhos iluminam nossos caminhos de forma que se forem bons, o corpo todo seguirá pela luz e se forem maus, o corpo todo seguirá pelas trevas.

Os dois senhores

Mateus
6:24) Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.

Aqui Jesus deixa claro que não podemos seguir a Deus e a Mamom simultaneamente. Mamom no hebraico significa dinheiro. Na antigüidade Mamom era considerado uma espécie de divindade da das riquezas, avareza, cupidez e ganância. Em algumas traduções da Bíblia a palavra “riquezas” substitui o nome Mamom o que não muda em nada o sentido deste versículo.


Conclusão

Os versículos 6:22-23 parecem fora de contexto num primeiro momento, mas quando analisados no conjunto, deixam clara a relação do que os olhos vêem com a intenção do coração. Ter olhos apenas para as riquezas é o mesmo que buscar juntar tesouros apenas terra, ou seja, é um caminho de trevas e nos afasta de Deus. Ter olhos bons, seguir o caminho da luz, nos ajuda a juntar tesouros no céu e nos aproximar de Deus.

Publicado em Cafarnaum, Lugares, Parábolas, Sermão do Monte | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Sal da terra, Luz do mundo


Introdução

As parábolas à seguir são trechos do sermão que Jesus deu num monte em Cafarnaum. Elas parecem ser dirigidas exclusivamente a seus discípulos.

Luz do mundo

Mateus
5:14) Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte;
5:15) nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa.

No primeiro trecho deste versículo Jesus diz que “vós” sois a luz do mundo, mas quem é “vós”? A resposta se encontra nos versículos anteriores deste mesmo capítulo:

  • Os humildes de espírito
  • Os que choram
  • Os mansos
  • Os que têm fome e sede de justiça
  • Os misericordiosos
  • Os limpos de coração
  • Os pacificadores
  • Os perseguidos por causa da justiça
  • Aqueles que, por causa de Jesus, forem injuriados, perseguidos e sofrerem o mal dito pelos mentirosos

No segundo trecho Jesus diz que não é possível esconder uma cidade sobre um monte. Uma possível interpretação para este trecho poderia ser que não é possível esconder algo colocado em um ponto visível por todos. Esta interpretação é reforçada pelo versículo 15. Para melhor entender o versículo 15, seguem algumas explicações:

Candeia é o mesmo que uma luminária. Alqueires eram bolsas ou cestas de carga que se colocavam presos em animais para transporte de carga. Velador é um suporte onde se coloca um candeeiro ou velas.

O que Jesus parece estar dizendo neste trecho é que seus discípulos (a luz do mundo) não devem se esconder do mundo.

Sal da terra

Marcos
9:49) Porque cada um será salgado com fogo.
9:50) Bom é o sal; mas, se o sal vier a tornar-se insípido, como lhe restaurar o sabor? Tende sal em vós mesmos e paz uns com os outros.

Na antigüidade não existiam geladeiras. O sal, além de condimento, também era utilizado para conservação dos alimentos. O uso figurado do sal nas parábolas tem exatamente o significado de Preservar.
Aqui Jesus parece dizer que o discípulo será preservado com fogo. A provação serve para manter os discípulos preservados. O versículo 50 parece reforçar esta interpretação com mais afirmações: O sal é bom, ou seja, estar preservado é bom. Se o sal tornar-se insípido, como lhe restaurar o sabor? Se o discípulo não se preservar, como poderá ser restaurado? A resposta parece estar no versículo anterior: Com fogo.

Lucas
14:34) O sal é certamente bom; caso, porém, se torne insípido, como restaurar-lhe o sabor?
14:35) Nem presta para a terra, nem mesmo para o monturo; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Em Lucas encontramos uma variação do texto de Marcos. Lucas 14:34 possui a mesma afirmação de Jesus que está descrita em Marcos 9:50. Já o versículo 35 parece responder a pergunta que em Marcos não havia sido respondida. A resposta afirma que o discípulo que não se preserva não presta para a terra, nem mesmo para o lixo (monturo = depósito de lixo).

Conclusão

Jesus disse que seus discípulos devem se expor ao mundo mesmo diante de perseguições e conforta que felizes serão os discípulos que assim o fizerem.
Também acredito que o possível discípulo que Jesus define é aquele que se encaixa em todas as bem-aventuranças, descritas em Mateus, ou seja ser a luz do mundo.
A importância disto é bastante relevante nos dias atuais em que muitos ditos profetas se expõem no mundo, mas não se comportam como “luz”, ou seja, não adianta querer se mostrar discípulo, mas não ser perseguido por sua crença e sim pelo seu mau exemplo no mundo.
A lista das bem-aventuranças pode até parecer que segue uma ordem de importância, ou seja, a perseguição é a última delas. Antes disso deve-se ser humilde de espírito, chorar (ou o que demonstra sensibilidade), manso (submisso a Deus), ter fome e sede de justiça (os que procuram a justiça de Deus), ser misericordioso, limpo de coração e pacificador. A perseguição vem ao final e com a própria exposição (luz do mundo) e por isto o discípulo de Jesus também será feliz.
Jesus também reforça o ensinamento dizendo que o discípulo que não se preservar (sal insípido) passará por provações.

Publicado em Cafarnaum, Parábolas, Sermão do Monte | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

As Parábolas


Parábolas são narrativas curtas que utilizam elementos simples de uma determinada cultura e geralmente são utilizadas para demonstrar de forma simbólica algo moral e ético. Parábolas não contam histórias (fatos), mas sim estórias (causos).

A importância das parábolas de Jesus é a de passar mensagens imutáveis ao longo do tempo de forma simples e direta, sendo necessário entender-se o contexto cultural e época em que foram ditas.

Embora seja necessária uma contextualização para seu entendimento, a mensagem das parábolas de Jesus continuam bastante atuais e se aplicam em qualquer época da história da humanidade.

Na Bíblia encontra-se cerca de 60 parábolas ditas por Jesus e todas elas transmitem ensinamentos profundos com simplicidade e brevidade.

Publicado em Parábolas | Marcado com , | Deixe um comentário